terça-feira, 10 de agosto de 2010

Porque Não Gostamos de Mentiras...

“Dez Grandes Mentiras” Sobre Israel

Michel Collon, um jornalista e autor belga, criticou a mídia européia em seu livro “Israel, let’stalk about it”, de estar “mentindo” há décadas para as pessoas com o intuito de fornecer suporte a Israel.

Collon, em seu livro, relacionou “10 grandes mentiras” disseminadas pela mídia ocidental com objetivo de “justificar a existência e ações de Israel”, as quais são apresentadas concisamente abaixo:

1. A primeira mentira é que o Estado de Israel foi estabelecido em reação ao massacre de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Esta noção é completamente errônea. Israel é, de fato, um projeto dominador que foi aprovado no Primeiro Congresso Sionista, na Basiléia, Suíça, 1897, quando judeus nacionalistas decidiram ocupar a Palestina.


2. A segunda justificativa para estabelecer e legitimar Israel é que os judeus estão retornando para a terra de seus antepassados, de onde foram expulsos no ano 70 DC.

Isto é uma lenda. Eu tenho conversado com o famoso historiador israelense Shlomo Sand e outros historiadores, e eles todos acreditam que não aconteceu nenhum “êxodo”, portanto, não tem sentido falar em “retorno”. As pessoas que moram na Palestina não deixaram suas terras na antiguidade.

De fato, os descendentes de judeus residindo na Palestina são as pessoas que sempre moraram na Palestina. Aqueles que reclamam querer retornar a sua terra são originários da Europa ocidental e oriental e do norte da África.

Sand diz que não existe nação judaica. Os judeus não têm uma história, língua ou cultura em comum. Eles têm somente coisas em comum em sua religião, e religião não faz uma nação.

[Podem continuar a ler aqui]

3 comentários:

Stefano disse...

veja a hipocrisia.... a imprensa "livre" fez gritaria quando fulano e sicrano foi banido do Partido Comunista(em pais ocidental) por criticar a URSS! Veja se ela faz isso quando alguém é perseguido por criticar Israel!

Johnny Drake disse...

Tem que haver muita coragem para criticar Israel. Eu dou muito valor a todos aqueles que têm coragem para isso (críticas fundamentadas, claro).
Afinal, não existe uma "ADL" para mais ninguém a não ser para eles...
Afinal, não existe protecção judicial para mais ninguém sem ser para eles - criticar a sua política é sempre considerado "anti-semitismo", o que origina multas ou penas de prisão.

Stefano disse...

ADL= versão sionista da NKVD, KGB, Stasi, PIDE....

Ah... imagina essas noticias

noticia 1: venezuelano é processado por criticar Cuba.(aliada da Venezuela)... imagina o escandalo internacional...

noticia 2: estadunidense é processado por criticar israel...

nada de escandalo!!!