sábado, 10 de dezembro de 2011

Afinal, Em Que Ficamos?...



Por questões pessoais e profissionais, nem sempre tem sido fácil a actuaização deste espaço. O exemplo está neste 'post'.



A notícia tem quase dois meses, é verdade, mas não poderia deixar de ser referida aqui.


Muitas foram as vezes que este espaço foi acusado de ser "radical, extremista, nazi, xenófobo", entre outros mimos, apenas porque aqui partilhamos e desenvolvemos a cultura da liberdade de expressão e de informação e porque defendemos todas as diferentes interpretações sobre qualquer facto histórico. Mesmo sobre o Holocausto, o maior tabu da Segunda Guerra Mundial e um dos maiores de sempre.


Como neste espaço abordamos também aquilo que o "politicamente correcto" denomina de "teorias da conspiração", somos também acusados, para além dos rótulos anteriores, de "maluquinhos e dementes".

Pois bem, aqui fica a seguir um texto do "Avante" (publicação COMUNISTA), edição Nº1978, de 27-10-2011:

A máquina da morte e a utopia


«Enquanto o proletariado tiver necessidade do Estado, não será no interesse da liberdade mas sim para reprimir os seus adversários! E no dia em que for possível falar-se livremente de liberdade, o Estado deixará de existir...» (F. Engels, «Carta a Bebel»).

«A liberdade política é uma ideia e não uma realidade. Ideia que, no entanto, é preciso saber aplicar quando for necessário atrair as massas populares a um lado da questão. Eis onde surgirá o triunfo da nossa teoria. A questão será de fácil solução caso o adversário tenha recebido o poder de uma ideia de liberdade a que se chama liberalismo. As rédeas do poder serão tomadas facilmente porque a força cega de um povo não pode ficar um só dia que seja sem guia. Assim, a nova força nada mais tem a fazer do que assumir um comando enfraquecido pelo liberalismo» (Protocolos dos Sábios de Sião, 1.º Mandamento).


[Nota do Revisionismo em Linha: MAS OS PROTOCOLOS NÃO ERAM UMA "FALSIFICAÇÃO HISTÓRICA"??? ALGO FRUTO DE "ANTI-SEMITAS"???]




«Há uma necessidade urgente de uma autoridade verdadeira no mundo, para ordenar a economia mundial, reavivar economias atingidas pela crise e evitar qualquer deterioração e os desequilíbrios maiores que dela resultariam. Obviamente, essa autoridade teria de dispor do poder de garantir o cumprimento das suas decisões ...» (Bento XVI, «A Caridade com Verdade»).

A rede conspirativa que se vai instalando na terra tem claramente origem em formações capitalistas proclamadamente religiosas. Basta olhar-se para o esquema organizativo que vai chegando ao conhecimento público para nele se reconhecer a mãozinha sinuosa dos jesuítas e dos illuminati maçónicos. O que está em jogo tem sempre dois pés para andar: um deles, vai sendo gradualmente desvirtuado, o da utopia do Estado; o outro, avança e calça a botifarra nazi.


A história dos Protocolos poderia, em princípio, parecer um conto de fadas. Mas os quadros dos anúncios que aí se promovem são bem reais. A democracia e as liberdades foram um sonho mal escrito e mal entendido pelos homens. As maiorias enganaram-se nas encruzilhadas dos caminhos. E a própria Igreja surgiu com uma inesperada novidade: agora, as hierarquias querem destruir as estruturas da sua própria Igreja para depois realizarem o sonho mefistofélico de uma cristandade apocalíptica que represente o universo de interesses dum Estado capitalista mundial. Tudo poderia ser pura imaginação não fosse o caso do enunciado teórico dos Protocolos ser acompanhado por uma listagem de objectivos a curto e médio prazos: um governo mundial oculto que promova uma Nova Ordem mundial; um único sistema económico, financeiro e monetário, de obediência universal; o fim das crises económicas através da ocupação, por um só exército, de todas as fontes mundiais de matérias-primas e energia, mesmo que para isto seja de prever o desencadear de uma III Guerra Mundial; e o estabelecimento de uma Religião Única cuja chefia seja desempenhado pela Igreja Católica.


Todos os antecedentes desta Nova Era estão lançados ou funcionam já. Há políticas altamente complexas, como as que intervêm na crise financeira internacional, no terrorismo, nas área do gás e do petróleo, etc., que necessariamente estão a ser já coordenadas por um único governo oculto. As grandes disputas financeiras que convergem nos benefícios das grandes fortunas e nas mega fusões, nas troikas ou nas guerrilhas entre os mercados denunciam a existência actual de gigantescas centrais capitalistas articuladas entre si. Em tudo, desde as relações entre as pessoas até ao convívio entre os estados, os ricos serão mais ricos e os pobres conhecerão a miséria. Embora as lutas de classes subam de tom.


Dá-se como certo que na base deste tenebroso programa final figuram os sionistas, o Vaticano e a Maçonaria. Nada custa a crer que assim seja: o plano actual da Nova Era tem as marcas do «Apocalipse», das ambições planetárias ilimitadas dos grandes estados ocidentais, das alfurjas das caves do Vaticano e da Maçonaria e das tenebrosas ordens secretas, laicas ou religiosas.


Uma nota informativa complementar: os Protocolos não são proféticos. Não foram redigidos de uma só vez, para sempre. São fichas que incluem tópicos de matérias já conhecidas no seu tempo. Depois, vão sendo actualizadas à medida do tempo que passa. E os seus mentores e condutores do processo são os illuminati que repartem ligações entre a Santa Sé, a Maçonaria, o Pentágono e a Wall Street.
Voltaremos a este tema. Quem lê os jornais portugueses cada vez mais se enreda na confusão.



Meus amigos, querem ver que agora ainda vão chamar "comunistas" aos revisionistas e/ou aos "teóricos da conspiração"?...

3 comentários:

Rodrigo César disse...

Tudo certo, mas... eu gostaria de te fazer uma pergunta: se a Igreja Católica está nisso desde sempre então porque justamente ela sempre condenou a maçonaria e, mais ainda, condenou a fogueira os próprios Iluminatti? Porque os jesuítas odiavam e escreveram sempre muito mal da maçanoria? Porque a Igreja e a moral católica são tão ridicularizadas pela mídia? Porque, a medida que esse plano se desenvolve, o Vaticano só perde poder? Compare o poder político da Igreja antes da II Guerra e hoje. Mais lógica não seria a opinião da Fraternidade São Pio X de que o Vaticano está todo infiltrado por pessoas que não são católicas?

Johnny Drake disse...

O texto, caso não tenha reparado, não é do Revisionismo em Linha, é do orgão informativo do Partido Comunista Português. Aborda os Protocolos do Sião, um texto que vem sempre colado à imagem "anti-semita" que os crentes do "holoconto" gostam aplicar aos revisionistas.
O autor do texto coloca tudo dentro do mesmo saco e não faz a devida separação das instituições.

Saudações

Diogo disse...

Post bastante curioso.