sábado, 6 de fevereiro de 2010

"Defamation" - Já Anda a Incomodar Algumas Pessoas...



Falamos dele aqui - "Defamation", um provocante e irreverente documentário realizado pelo Israelita Yoav Shamir sobre o "anti-Semitismo", real e inventado, no mundo actual.

Pretende demonstrar como os Sionistas usam uma narrativa histórica manipulada, especialmente no que diz respeito ao "Holocausto", com o objectivo de colocar no pensamento dos Judeus o sentimento paranóico da vitimização e do medo, ao mesmo tempo de desconsideração e desprezo para todos os outros que não sejam Judeus. O documentário inclui entrevistas com: Abe Foxman, director da Sionista 'Anti-Defamation League'; Norman Finkelstein, autor do livro" The Holocaust Industry" ["A Indústria do Holocausto" - podem descarregá-lo no Revisionismo em Linha] ; Stephen Walt, co-autor de "The Israel Lobby"; Uri Avnery, activista e pacifista Israelita.

O documentário completo pode ser visto aqui.

6 comentários:

Diogo disse...

Documentário a ver amanhã, em casa.

bikkker disse...

Olá, gostaria de indicar um novo blog que está sendo feito, – naturalistans.blogspot.com – de linha NS, apenas terá materiais próprios ou novas traduções, peço para linkar assim como linkei o seu ótimo blog. Abraço.

Johnny Drake disse...

Caro Bikker,

obrigado pelas suas palavras e espero que continue a acompanhar-nos. Boa sorte também para o seu novo blogue.
Quanto à questão do link do seu espaço: se reparar, não existe na lista de blogues do Revisionismo em Linha qualquer ligação a partidos ou associações quer políticas quer defensoras de quaisquer outros movimentos. Como deve calcular, todos nós temos as nossas convicções e simpatias políticas, mas este espaço não existe para isso (apesar de saber perfeitamente que o Revisionismo em Linha encontra-se na lista de inúmeros sites e blogues).
Espero que compreenda.

Um abraço

JD

bikkker disse...

Eu entendo perfeitamente, levando ainda em conta o risco de perseguição, de ser visto com parcialidade, etc.

Mas não seria Ernst Zündel um revisionista NS? Tenho em minhas mãos uma ótima entrevista dele com a escritora e militante Savitri Devi, além de ter notado outros pontos em comum.

Para ser revisionista não é preciso se envolver com política-filosofia-religião-etc, mas muitas das ótimas produções revisionistas vêm de associações politizadas, sejam dos islâmicos(como a Rádio Islam, também linkado no seu site), ou de nacionalistas brancos(David Duke, National Alliance...), senão em alguns casos de esquerdistas, anarquistas, cristãos, etc.

Ignorar algo porque está atrelado com algo ideológico é um tanto "anti-revionista"; pessoalmente entendo que no caso do nacional-socialismo é tão revisionista poder apresentar ao leitor(qualquer que seja, inclusive ao mais anti-ns, multiculturalista, igualitarista e democrata possível) no conhecimento honesto da teoria(a ideologia), quanto do prático(questão do holocausto, políticas executadas, funcionamento da sociedade, etc), os dois temas são igualmente distorcidos.
Como exemplo aponto o que é comentado de Nacional Socialismo e Hitler em sites como Wikipedia. É absurdo o número de mentiras, meias-verdades, interpretações subjetivas, que não se restringem apenas aos "6 milhões-camaras de gás-auschwitz-anne frank"

Abraço

Johnny Drake disse...

Bikkker, vou responder a algumas das suas afirmação:

"Eu entendo perfeitamente, levando ainda em conta o risco de perseguição, de ser visto com parcialidade, etc."

Pessoalmente, não me incomoda. O que me aborrece é que as pessoas são bombardeadas com mentiras ou meias verdades há anos e depois quando alguém procura mostrar “o outro lado”, os crentes exterminacionistas vêm com a retórica do costume: “não lhes liguem nem lhes dêem credibilidade porque eles são “nazis””… Ou seja, não se discute a questão, acaba-se com o diálogo, promove-se a descriminação e a censura porque, supostamente, “somos parciais”… Não há paciência!


"Mas não seria Ernst Zündel um revisionista NS? Tenho em minhas mãos uma ótima entrevista dele com a escritora e militante Savitri Devi, além de ter notado outros pontos em comum."

Ernst Zundel é, provavelmente, um revisionista NS. Porém, são as questões que ele sempre levantou que me interessam, não a sua ideologia. Repare que ele e Faurisson têm imensos pontos em comum e este não é NS. Portanto, se os crentes exterminacionistas estivessem realmente interessados na verdade histórica, não insistiam e “colocar tudo no mesmo saco”. Mais: uma afirmação verdadeira, credível e comprovada, mas defendida por um NS deixa de o ser??? Eles acham sempre que sim… Coitadinhos…


"Para ser revisionista não é preciso se envolver com política-filosofia-religião-etc, mas muitas das ótimas produções revisionistas vêm de associações politizadas, sejam dos islâmicos (como a Rádio Islam, também linkado no seu site), ou de nacionalistas brancos (David Duke, National Alliance...), senão em alguns casos de esquerdistas, anarquistas, cristãos, etc."

A Rádio Islam tem imensos artigos revisionistas e é por isso que figura na nossa página (alguns deles traduzidos por mim). Tanto ela como muitos outros sites considerados “extremistas” fazem a ligação com artigos e sites/blogues revisionistas. Repito: isso a mim não me escandaliza porque o que me interessa são as ideias defendidas PELOS REVISIONISTAS E NÃO POR QUEM SIMPLESMENTE AS PUBLICITA.
Repare que Norman Finkelstein, por exemplo, é constantemente confrontado com o facto do seu livro “A Indústria do Holocausto” figurar em inúmeros sites nazis. Não há, praticamente, uma entrevista em que isso não seja focado. Acha que ele se chateia?
Ele sabe que o que irrita certos crentes é a sua incapacidade em responder às questões levantadas no livro. Como não têm resposta, colocam-lhe um rótulo...

Abraço


Johhny Drake

bikkker disse...

Eu concordo totalmente e não teria nada para acrescentar.(é até meio chato quando uma conversa de conteúdo fica sem caminho por isso hehehe)

Eu só gostaria de dizer que, embora eu tenha estudado história como acadêmico, ou tenha divulgado o revisionismo por longos anos, vejo no atual contexto lamentável que se encontra o mundo outras "frentes de batalha" ainda mais necessárias contra o regime estabelecido(ou sistema, ou ordem, como preferir), que devem ir muito além da busca pela verdade histórica. Eu poderia alongar aqui sobre isto, mas apenas lhe indico para ler, por exemplo, uma postagem que fiz de nome "A farsa do desenvolvimento sustentável", que é um mero exemplo temático, de que antes de tudo, estamos num embate de idéias, ou seja doutrina-filosofia-teoria-prática, entre a oposição Nacionalista e o Neo-liberalismo/Progressismo.

Fico grato pela pequena conversa que podemos desenvolver.

Até!