segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A Estranha "Testemunha Ocular" Chamada 'Jan Karski'


Uma das "testemunhas oculares" mais duráveis e úteis para o suposto Holocausto Judeu foi o espião e propagandista Polaco da Segunda Guerra Mundial que dizia chamar-se Jan Karski. O antigo correspondente do Polish Underground, que nasceu com o nome de Jan Kozielewski, escreveu um relato das suas experiências na Polónia durante a guerra, Story of a Secret State, que foi um best-seller americano há mais de quarenta anos. O golpe mais recente de Karski foi a sua aparição na película Shoah (pelo qual ele foi altamente elogiado, apesar de ser estridentemente anti-Polaco) em que faz um relato agonizante da sua passagem pelo "gueto" de Varsóvia em 1942 e que, pelo qual, ganhou grande louros no seu papel de “Gentio justo”.

Há muito tempo que é evidente para os académicos revisionistas que as várias declarações de Karski sobre a sua suposta visita ao campo de Alemão para Judeus localizado perto de Belzec, cerca de 80 milhas a sudeste de Lublin, têm vindo a perder fulgor entre as autoridades 'exterminacionistas'. Tal como Arthur Butz salientou, "uma nova versão desinfectada da sua história" apareceu no livro de Walter Laqueur, The Terrible Secret. Laqueur sentiu a necessidade de explicar o fracasso de Karski em tentar ver qualquer câmaras de gás declarando que "aparentemente... estas eram muradas e só com autorização especial se podia aproximar delas". Karski não foi questionado sobre a sua visita a Belzec durante a sua entrevista com Claude Lanzmann, no filme Shoah e, mais recentemente, Raoul Hilberg levantou sérias dúvidas sobre a visita de Karski a Belzec em 1942. "Eu não o colocaria nem sequer numa nota de rodapé em qualquer dos meus livros" declarou Hilberg. Tal como o pesquisador revisionista Mark Weber escreveu, a reivindicação de Karski de que os Judeus, em Belzec, foram colocados em comboios e despachados para bem longe do campo é mais coerente com a visão revisionista de Belzec, como um campo de trânsito para Judeus com destino para Leste, do que a noção de que Belzec foi um centro de extermínio.

Pode continuar a ler sobre este assunto aqui.

2 comentários:

Edu disse...

Realmente a historinha para boi dormir que esse cidadão (Jan Karski) conta é bem difícil de acreditar.

É mais fácil aceditar em papai noel.

Diogo disse...

Os judeus de Belzec e Treblinka eram enviados para campos na Ucrânia.

Abraço