segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Porque os Irritamos Assim Tanto?...


Porque existe o Revisionismo em Linha? Porque somos "radicais"? Porque somos "dementes"? Porque acreditamos em "teorias da conspiração"? Porque somos "nazis e anti-semitas" ou "racistas e xenófobos"? Será verdade que o Revisionismo em Linha existe porque as pessoas que lá colaboram são isso tudo e defendem isso tudo? EVIDENTEMENTE QUE NÃO!

O que acontece é que é mais fácil ofender de forma baixa e vil - reveladora, só por aí, da natureza das pessoas e instituições que o fazem - e procurar ridicularizar quem apenas possui uma outra forma de ver, analisar, compreender, questionar, etc., do que apresentar provas de que estamos errados. A seguir, se essa estratégia falha, passam à seguinte: tentar descredibilizar as capacidades intelectuais dos revisionistas - mesmo quando as deles estão bem longe de constituir algum exemplo de referência, pelo contrário! E quando tudo isto falha, resta-lhes pedir aos patrões que pressionem os chefes de Estado na aplicação de legislações punitivas contra quem, afinal, só pensa de forma diferente.

Procuramos falar do que poucos falam ou do que para alguns é incómodo. Procuramos com o "conselho de leitura" ou com os "livros da quinta" ajudar a perceber que existe outra bibliografia alternativa à que a historiografia oficial se baseia e defende ser essa a única "credível". Portanto, o Revisionismo em Linha não é, de uma vez por todas, um blogue que pretende "branquear" ou "fazer a apologia" de algum facto histórico ou regime político. Não limitamos os nossos comentários à Segunda Guerra Mundial e, particularmente, ao Holocausto - apesar de ser um assunto, de certa forma, previlegiado. Por isso, também percebemos perfeitamente a irritação de certos crentes afirmacionistas quando lêem isto ou isto - e, especialmente, isto (a demolição de um dos seus principais gurus!).

Para tudo isto, entre uma série de rótulos e acusações, a mais frequente é a de "anti-semitas". Somos "anti-semitas" sempre que criticamos a política de Israel; somos "anti-semitas" quando questionamos e duvidamos do facto histórico denominado "Holocausto"; e somos "anti-semitas" quando realçamos ambas as coisas e denunciamos não só a perseguição de que é alvo todo aquele que se atreve a ir contra a este estado de coisas "politicante correctas", como também quem são os que defendem a todo o custo essa mesma perseguição (leia-se "nova inquisição").

É por tudo isto que existimos, é por tudo isto que se irritam com a nossa presença! Mas, para mal deles, ainda vamos ficando por cá...

4 comentários:

Stefano disse...

engraçado... os japoneses negma seus crimes contra chineses e coreanos...
pq nao sao taxados de antichineses e anticoreanos ??

Stefano disse...

cara... deixe de ser "antisemita e insensato".... você sabe ke os judeus são perfeitos, santos e incorruptiveis....... pobrezinho$$$$$... tão inocentinho$$$$$$$$

Johnny Drake disse...

Acredito que também existam boas pessoas em Israel. Acredito que também existam boas pessoas que sejam Judias. O que eu não posso aceitar é que toda e qualquer crítica que se faça a ambos seja logo relacionado com "racismo" ou "anti-semitismo". O que eu não posso aceitar é que toda e qualquer crítica e dúvida para com o facto histórico denominado "Holocausto" seja relacionada com "branqueamento e apologia do nazismo", etc.

A VERDADE NÃO TEME A INVESTIGAÇÃO!

Stefano disse...

e a omissão vergonhosa da midia em relação ao holocausto na Croacia NDH ??
as vitimas:
cristãos ortodoxos (maioria servios),ciganos, judeus e opositores (incluindo croatas).
a crueldade do NDH chocava até mesmo os alemaes.

a midia omite este massacre pq envolve o clero romano.